Arquivo do mês: agosto 2015

Crítica Cultural (poesia)

* Desculpe-me Foucault Essa história de mudar a ordem do discurso Tem gente que não gostou. E a monotonia segue o curso…   E a tal de microfísica do poder Como numa arbitrária gangorra Poder de verdade, nem queira saber… … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Estereótipo duplo (poesia)

Quem sou eu? Sou negra Chega de negra preta! Meu cabelo? Crespo, sim. Não precisa ser duro e ruim. Meu gênero? Mulher. Não sou negrinha assanhada. Acredite se quiser.     Por que esses estereótipos? Não quero ser julgada pela … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Um amor assim… ( poesia)

Há muito queria te dizer Entre as mil formas de demonstrar Prefiro apenas escrever Essa é a minha forma de amar.   Amo-te sem razão E também sem as tuas  promessas Acordos nem  aperto de mão… Talvez, por não ter … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

O elefante que roncava (infantil)

Tudo estava tranquilo na vida de Patrício  Brasileiro Júnior, um garotinho pobre, 10 anos  de idade que  pedia ao pai os presentes mais extravagantes. Depois de uma semana  o presente desejado perdia o valor. O garoto já consciente da impossibilidade … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Nascimento de Iaçu (cordel)

Atenção pessoal Dessa vez é pra valer De IAÇU vou  recontar O que estão careca de saber Pra início de prosa Parabéns, Iaçu! Amo você. II Localização territorial Piemonte do Paraguaçu Um lugar sem igual Chamado de IAÇU Onde há … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | 2 Comentários

A Mulher de Branco (oficina: da lenda para o cordel)

Estudantes do CELF/2015   CORDEL  1 Na década de oitenta Uma história foi narrada Na escola Teotônio Habitava uma alma penada Os alunos que aprontavam No banheiro não voltavam. II Era intenso, constante e assustador Aquela assombração que habitava o … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Apenas um toque poético…(crônica)

Quando criança as  desavenças  entre  colegas  serviam de motivo para cortar a relação.  E em sinal de protesto unia a ponta dos dedos indicadores e pedia: “- corte aqui!” Diante da atitude infantil estava selado  o rompimento temporário da amizade … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário